domingo, 10 de janeiro de 2010

Os "malandros" enganaram a ministra

Ministério da Educação e Sindicatos de Professores entenderam-se.
Mais ou menos: chegaram a um acordo de princípio.
Vieram logo os do costume acusar o Governo de cedência aos "malandros" dos professores.
Que conseguiram o que queriam.
E que só querem defender os seus interesses "corporativos".
Vai levar anos até limpar a lama que se atirou para cima dos professores.
E no entanto, há professores medíocres e professores excelentes.
Malandros e moiros de trabalho.
Incompetentes e competentes
Como em todas as profissões. Até nos políticos. Até nos comentadores.
E afinal o que queriam os professores de tão condenável?
Que os bons fossem reconhecidos.
E o Governo, o que queria?
Que os bons fossem reconhecidos ... desde que não fossem muitos os bons.
E estavam tão empenhados nisso que nem repararam que, durante todo este tempo, foram alimentando um enorme equívoco:
Se o Governo quer impor quotas para decidir quais são os bons que merecem ser tratados como bons - se o Governo tem essa preocupação - é porque, afinal teme que haja muitos professores bons. E isso é mau? Para o Governo, e para os do costume, parece que é mau.
E isto tudo foi mau de mais.
E não acabou por aqui.
A lama, essa vai emporcalhar os professores por muitos mais anos.
Até quando?

P.S. E a principal responsável por esta porcaria acaba de receber um prémio de carreira.Vai ter
um tacho na FLAD! Does she speaks english, at least?

2 comentários:

Cascais1 disse...

Resta saber se os professores que são maus profissionais, são absentistas, não ensinam, não se actualizam e não se esmeram naquilo que fazem (alguém tem dúvidas que os há?), irão continuar a dar cabo da vida aos alunos, estragando-lhes a carreira, e a exasperar os pais.

Se ficaram garantidos meios para combater o descrito acima, encantados da vida.

jp, le miserable disse...

pode ter a certeza, os bons professores não vão subir... os maus, esses, vão chegar ao topo num abrir e fechar de olhos...

note-se que foi criado, ou tinha sido criado no anterior modelo, mais um escalão. ou seja, os professores que ganham miseravelmente dificilmente sobem, mas os que ganham bem é sempre a subir...

e pelos vistos o tempo de trabalho dos professores contratados não conta para a carreira... ainda iam tirar o dinheiro a alguém....

há muitos interesses individuais nisto...

cumps