sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

A América (também) pode mudar


Cindy McCain

Meghan McCain

Na América, a mulher (Cindy) e a filha (Meghan) de John McCain envolveram-se na campanha NO H8, pelo casamento gay.



Por cá, D.José Policarpo voltou a dar mostras que a Igreja sente muitas dificuldades em mudar.
Todos são filhos de Deus, mas há uns mais filhos que outros.
E os homossexuais, que são assim porque Deus os criou assim, são tratados como filhos do Diabo.
Que Deus perdoe os homens da "sua" Igreja...porque não sabem o que dizem/fazem.

4 comentários:

Café Puro disse...

Até concordo com o casamento civil dos homosexuais, mas discordo frontalmente da crítica à igreja por não o aceitar, e pela justificação de que todos os que são filhos de deus e deus os criou assim?
Esses são os valores da desresponsabilização...ou seja os toxicodependentes são uns coitadinhos, vítimas da sociedade. Os assaltantes e assassinos são uns coitadinhos vítimas do capitalismo, os jovens que levam armas e provocam carnificinas nas escolas são uns coitadinhos desinseridos da sociedade!!!
A igreja católica está no seu pleno direito de não aceitar o casamento entre pessoas do mesmo sexo...os valores não são alteráveis ou adaptáveis aos tempos ou sociedades...simplesmente quem quer adere, quem não quer não adere.
Veja lá se daqui a uns anos também os pedófilos resolvem reclamar os direitos da sua livre orientação sexual, por serem também filhos de deus e não terem culpa de já terem sido criados assim???

Fiat Lux disse...

- O que é que o casamento de dois homossexuais tem a ver com "desresponsabilização"?

- Só falta dizer que os homossexuais são pessoas más e cheias de vícios, uns animais que não merecem qualquer consideração.
São como toxicodependentes, como assaltantes e assassinos,"serial killers"...

- "Os valores não são alteráveis ou adaptáveis aos tempos ou sociedades?"

Esta é que não percebi mesmo.
Ou eu não faço ideia do que são "valores" ou há por aí uma grande confusão na sua cabeça.

- "quem quer adere, quem não quer não adere".
Finalmente de acordo.
Nenhum homem é obrigado a casar com outro homem e nenhuma mulher é obrigada a casar com outra mulher.
Não quer não se casa.
Mas não tem nada que impor os seus valores. E os valores até podem mudar, acredite. Veja lá se Cindy McCain não mudou os seus valores.

Comparar um pedófilo a um homossexual é uma barbaridade monstruosa.
Nem me vou dar ao trabalho de tentar explicar-lhe porquê.

Lua dos Açores disse...

Apenas porque continuo a pensar da mesma forma como pensava na altura em que o escrevi transcrevo o post que coloquei no meu blog. Apenas acrescento: todos somos filhos de Deus, criados por Ele. Creio que quando intrepretam palavras de outros alguns repentem-nas de forma a "servirem" no fato que talharam. Não me move complexo nenhum contra os homosexuais.

"Não acho que aceitar o dito casamento entre pessoas do mesmo sexo seja tolerância. Tornou-se, É uma questão política nacional e foi aprovada como lei, “em menos de um fósforo” certamente para não dar muito tempo ao Povo para perceber muito bem o que se passava, acho eu, pelos nossos representantes democraticamente eleitos. A minha filha chama-me retrógrada porque não concordo que uma união entre pessoas do mesmo sexo possa e seja considerada casamento. Para mim, para haver casamento tem que existir um casal e casal, para mim e para a maioria, implica diferença de sexo entre os dois que o compõem. Que as uniões estáveis entre pessoas do mesmo sexo devam dar-lhes direitos jurídicos, de herança, por exemplo, penso que sim, mas casamento??? Estão brincando…e brincando com coisas muito sérias.



Não me incomoda nada que me chamem retrógrada.




Outra coisa que a mim me aflige é a adopção (não de crianças, esse é outro assunto que irá dar pano para mangas mas que a legalisação do "casamento" torna, ao que sei, automaticamente legal) de nomes estrangeiros para tornar "soft" as palavras e os conceitos. Para mim um “Gay” é um homossexual, não gosto dos termos bem portuguêsses paneleiro e fressureira, para mim homossexual, lésbica bastam, nem o brasileirismo bixa aceito. Para mim bixa é a "Bicha do Tum-Tum, que amanhã é dia um" que a gente cantava na Primária, é a bicha da caixa do super-mercado que a bixa brasileira transformou em "Fila", enfim...modernices… Lá estou eu a ser retrógrada...seja"

Fiat Lux disse...

Lua dos Açores

tem todo o direito à sua opinião, e a não ser chamada de retrógrada só por isso.
Mas, se bem percebi dos seus argumentos, para si o problema é o nome que se dá às coisas e não as coisas em si.
Portanto, se não chamarem casamento
deixa de haver problema, é isso?
Mas isso é estarmos mais preocupados com a forma do que com o conteúdo. E o que é que interessa mais, a aparência ou a realidade?
Se não se chamar casamento, deixará de o ser, desde que tenha um outro nome?