segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

Eluana Englaro (1970-2009)


Há muito que defendo a eutanásia.
A história da italiana Eluana Englaro só me ajudou a reforçar mais essa ideia.
Eluana morreu hoje com 37 anos.
Os últimos 17 foram "vividos" em coma, depois de uma acidente de viação.
Morreu depois de ter sido suspensa a alimentação.
Berlusconi queria travar essa decisão.
Por decreto-lei !?
Como se ele tivesse o direito de decidir sobre a vida dos outros.
(A justiça tinha determinado o direito de Eluana a morrer).
Por mim, enquanto puder quero decidir sobre a minha vida.
Num caso como este não quero ficar a vegetar.
Quero ter o direito a uma morte digna.

4 comentários:

Anónimo disse...

Eluana foi assassinada!
Ninguém é dono da própria vida nem da vida dos outros.

nanda disse...

Infelizmente há preconceitos descabidos. Se não fosse a tecnologia, estaria morta faz muito tempo.

O Psiquiatra de serviço disse...

É preciso ter uma lata do caraças para considerar que a mulher estava viva, só porque lhe batia o coração. Viver 17 anos com um fantasma de uma filha dentro de casa deve ser horrível.
Uma curiosidade. porque razão não aparecem, pelo menos nunca vi, fotografias actuais dessa senhora?!
A manipulação começa por aí.
Que descanse finalmente em paz e saúde para os pais.

Anónimo disse...

A tenologia deve estar ao serviço da vida e não da morte.
Ao não se prestar ajuda, matou-se uma pessoa por omissão.
Alguém sabe se a senhora pensava ou não?